domingo, 1 de fevereiro de 2015

Zênite (Soneto Inglês, nº 42. Para Sarah Valle)

Querida: cerca-te do puro branco
das rosas feitas de nuvens, viaja
no andor dos pássaros como tudo
que é vivo e Voa.

Deixa teus olhos de-Noite
no mais Abraço  dos Ventos:
e a luz escura mais bela
odore as pedras da estrada.

No elétrico mar de horizontes
navega o azul do Infinito
da mão de naias, sereias____
onde a Procura, o Encontro.

O mais, virá, manduco* de Altura.
Mais Pura, da mão dos Três.(Inspirado em: andante da Sinfonia nº 10, de F. Schubert)

(*Manduco: trazente, chegante.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário