quarta-feira, 12 de junho de 2019

Soneteratofônico Dois(n.466. Forma Paulo Henriques Britto)

TaciTÚrnico nos interlúnios -
coisa ou poeta Inimportando

quando ela tarde em grupos de cinquenta
eVÉM caindo pelas janelas da alma,
e escafedÊR-se está mais fora do cardÁPIO

do que o Bangu nelas cabeças da Série A:
a gente Sente as salas Desespelhadas,
sente dos minotauros o catifundo baFÊjo
nos cangorÓtes, e as bíblias nos oratórios

padecem falência Crônica de Escadarias....
a luz por MAIS que intransplanDÊça
fechou-SE a Bronze onde elas horas NÃO

passam_________ ele Amarildo continua morto,
e a gente SEM poder enterrá-lo.

Soneto Arretirado(n.465. Forma Paulo Henriques Britto)

Onde saltérios encanecidos pela
fumaça dos cavalos de ferro e Oonde

tossem relógios 'marfaNHÁdos à Esmo
foi que amarrei meu Jumento -
ossos e a pele-jambo que Visto__________

'sse marzão fetiBUNdo eivado de gravatás
talqualmente o assoalho da casa
de mãe joana sim-senhora,
fogo-Espantéu e nem Antônio Conselheiro

amanheceu_________ do céu esporro
de cada Vez na minha cara
um Rosto de cada Tempo___________

restando ao mucuJÊ  bater com o pé na
pedra, a pedra Preta e Porto Alegre, TCHAU.

Soneto DomininGUË em Bangu(n. 464. À memória de Emily Dickinson.Para Adeivan Ferreira e Luciana Moraes)

Manhã que dos vitrais escadescente Aparece,
velho Ferges deixa os filisteus no pesadelo,
e a Casa deles TRÊS adentra o coração
do velho pastor de tubas__________

o templo da velha igreja presbiteriana
é luz de tardes Hiberninguais(há Muito
um choro de criança não brota daqueles
mármores, e vez por outra o sino da Parca

apaga do rol de membros quem foi minino
em 1930). Tempo assombra de menezes-côrtes
esfumaçando os jardins, Isso não é sopa -
já Murilo Mendes diria. O velho Ferges no entanto

é Todo escalas musicais Subintes: o próprio Lírio
passando Impóluto pelos piores solos.

Esboço a Carvão tambÉM(Soneto, n.463, forma 4/8/2. Para Caleb Baltazar. À memória de Ana Cristina Cesar)

Naufrágio delas luzes de Ofir:
não lembro um céu que me consOle,
capibEribe, capibAribe, iNINterlúnios
que não se gatografam simplesmente,

porque areias d'África jangaram corvos
e o Rosto da europa Anoiteceu,
morreu Sebastião, cabou-SE efó,
o nome morto na lápide se Estende
incrementando o chá-de-língua dos
grimÕES e púlpitos, belerofonte(sobre dois pés)
sem banzo d'Asas pra chamar de chuva,
nunca Mais o corpo do Amarildo Apareceu:

naufRÁgio e muuuuito delas luzes d'Ofir,
não lembro mêêÊÊSmo um céu que me Console.

Esboço a Carvão(Soneto, n.462)

Eu consultei o Mito: 'ssa ausÊNcia
de Erês no coração dos homÍnIdas
eXplica os tons de ChumbÊO
à galoclope CLOPE no céu____________

noite Vastíssima, antiga,
de não mais poemas correndo
soltos na areia, tez-Açaí
das guerras sempre no espeCtro

dos EspelhÔmetros, as danças
na gaiolÊnia do mundo são espantÉUs
de anti-árias para assobio(não há bocas
brotando das janelas da Alma)__________

a Esfinge prepara Avessos
em Todas as suas respostas.
 

Soneto, n.461

Em casa, o velho Ferges de volta
após seu turno de vigia - un peu
de tristesse, evém noitÊra
que não promete, luar

sem Verniz__________ bem que ele
tentou ver pássaros juntando conchas
no costeRÉU da grajaú-jacarepaguá
quando voltava na bicicleta.

MundÃO verÉio anda há tempos
com o bafo do dragão nos cangotes,
o jazz que dizem sair delas bocas
é MALTA, d'espiguiNHÊntos gravataÍS_________

- "é", seu Ferges pensando - "Armagedons
'STÃO todos quase Maduros de TUDO."

Esboço com chifres, Dois(Soneto, n.460)

Manhã que de Amanhãs
mais distanCÊA os costados:
eVÉm sem buço muy Gracias
ao magaNÃO capirÔto que do Planalto

semeia bosta num modo corno,
cornÍSSimo, CorniSSíSSimo -
sem bonifrÁtio e decÊncia
e a gente povo nóis-Tudo

segue o Drummond num tempo
em que não se diz mais
"meu Deus", bonde segue a fanfÁRRA
de AQUI ser a ilha de Manhattan___________

José meu régio, e AGORA? Calendário
empacou na quarta feira de Cinzas...

Esboço com chifres(Soneto, n.459)

Chegou este tempo Absurdo desde
novembro-menos-um-quarto,
manhã sem Buço, nem hoje
nem Nunca_______________

mais chifres em cabeCÊs de cavalo,
serafins descalçados PÉdem socorro,
vomitam locomotivas: guilhotiNÉrias
fumam cigarros feitos da cabeça

das Horas, mas culpa é Nossa,
tamanha - chuVÃO de facas orgânicas
às cinco horas, avenida central para
matar o meu amor e MATEI__________

carnaval se EsmiLÍngue
ver embaÚvas espiguiNHÊntas.

terça-feira, 26 de março de 2019

Historieta Amarguinha(Soneto, n.458. Para a confrade Laís Araruna)

Noite vasta, antiquÍSsima, naufrágio 
das luzes de Ofir no espaço-Tempo
dos reloJÕES derretidos, a própria vida 
um céu de árvores DecotadÍssimas_________

naus que aos portos de Lisboa não Mais
nasceram, desque ele rei Sebastião 
SUMIU nas areias da África, alcÁcer
de Ocaso adulto e seus trezentos baraços

"ah Portugal tu hoje és NevoÊIro",
e as horas flÉbeis, outonais, escondem olhos
que foram o Rosto da Europa,
hoje espantÉU de ânforas Vazias_________

noite AntiquÍssima, ao Longe o mar
que Mais se afasta, e que foi Nosso um dia.

segunda-feira, 25 de março de 2019

Soneto, n.457(À memória dele Amarildo)

Renasço de estradas gêmeas - pedras 
jequitinhonhas, mão
que desce à pé dos meus Espantos
sol Danado na tarde________

um século girou Seis vezes, horÂndias
que lesmeiam gordas - tempo
de se exumarem infâncias
que a gente enterrou BEM Fundo,

sótão de faca cega e gárgulas
dormindo no quengo que homens calÇaram
no alto do Corcovado: jançam viÚvas
que não recebem pensão_________

um século girou Seis vezes, 'inda Amarildo
continurÚa sem entÊrro.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Cantiga da tarde Enrubrêr-se(Soneto, n.456, forma 4/8/2.)

Vétero bosque de retorcidas falanges________
bardo encontra a Cantárcia,
cinco mulheres(de pedra)________
olho d'Água entrega uns Ingás,

vestindo os bÚzios da missa,
me lembram de atender aos meus
mortos, Mar que nunca 
emurchÉce.
Estudei o rosto dos cÁucasos -
toré falava da intarCÊncia
de estrelas, santas nasTÁcias -
destino que é dançarino,

no entanto Mar que não esquece 
que é Água.

Relatório de maio(Versão soneto, n.455, forma Paulo Henriques Britto.)

Não há películas de vidro que MusculÊjem efós,
rosáceas de mais falarem 

as línguas dos homens_______ faltam janelas,
futúns de faca invadem as Rodas
e sempre o Mar realça como Nenhum cinema 

a insÔnia que pelos dedos EscÓrre.
Sobram películas de más-MulÊnciAs
quando a montagem não explica imagem 
e pior, PIOR: poucos se Tocam

que perderam o milagre, astronautas Nus
e meios-fios dentados, som dos shoppings
é Mar sem margens e de mãos Digeridas 

o efó de não MAIS sol, nem jornalÍcies
e Amarildo continua Sumido...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Soneto, n.454

Ipês e pães - paruís
de não se enxergarem Lilazes
e as horas_______ maçambucaba
amplificada em dilÚvios.

Mortos das guerras Púnicas descem
na paulicéia para o sete de setembro,
à frente tocando o gado 
vai cabo Machado marchando,

negrÊs de cinco por quatro 
na farda cÁqui esvoaçando às Ventuças,
não há Quem pegue os relógios,
puxe as cordas pra TRÁS________

ipês e pães, paruís de não Mais
se enxergarem Lilazes...

CançoneRÊta de Cordovil(Versão soneto, n.453, forma Paulo Henriques Britto)

O tordo acorda e anota no caderNÊ:
mar inteiro é mais que dálias gigantescentes

e gavetas de acordes dissonantes________
num mesmo Lado anjos esperam o mei'-dia
pra avisar os homens que parem de Assombrar

o Tempo, mundeÚ cada mÊs 
sem Infância. Tempestade Sorri porque há cada vez 
menos amigos do Hóspede, corpos caem dos andaimes 
mais sem haver quem lhes Nasça,

parece-Me conhecer esta MÓrte
desde o Princípio_________
o tordo acorda, ESTE é seu trilo:

mar que é MESMO 
mais que dálias gigantescentes.