domingo, 1 de fevereiro de 2015

Soneto Inglês, nº 48

Desfilismina a cantiga desse povo todo
aboitatado, fudido enquanto a bossa em Brasília
é tão finória em roubalheira mais
Crassa: fregue ancora em noitescência

maiúscula  enquanto nos cultos dom feliciano
pede os cartões e aleluias de cambulhada
buzinando a massa, mais delúbios de troco
amarfanhados onde o cu faz bico.

Pós depois se descobre que a festança é Cara

pra demais da conta e paga o pato o salário
desmilinguido arrombado dos zé-brasis
que nós somos  -  escangalhança pra  Metro____

A história entrando no pinto, saindo

no pé do pato: mas(Merda!) é tudo Verdade.

(Imagem: Bahia, de Carybé, 1971)

Nenhum comentário:

Postar um comentário