segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Estudo n.58 em Mi menor(Versão soneto, n.318. À memória dele Mário de Sá-Carneiro)

Então me Apanho assentado em
rubros d'Ontem, sobre minh'alma.
Tarde prepara adeuses
lá do alto da varanda - mar

sem Nome à janela, chuvaranzããão
que traz os séculos nos ombros.
Da farruxêra de raios desce uivando
um minotauro, ar parece enchido

em poços de braceleiras Cabindas,
som das trompas 
é colcha em bronze 'rrepanhado, por Onde
livros não falam das guilhotinas 

da Noite_______ vão nuvens Grossas sobre liteiras
de Hagar, saudando os galeões Digeridos. 

domingo, 26 de novembro de 2017

Estudo n.57 em Si menor(Versão soneto, n.317. Para Jéssica Campos)

O germe pondo a Noite num casulo:
entre a mão e teu corpo
um leito de Procusto, Nenhuma 
preparação para a vida________

numa estrada poeirentícia fechei
meus ombros, no seio mesmo das lâmpadas 
não mais ouço o toque dos anjos
nas espinetas do Infinito, é Tarde

como as cinco horas no relógio,
tarde como niños empinando pássaros 
que dão de beber ao sol, tarde como
as três mulheres de pedra no bosque Antigo,

tarde(ao Final) como gérmen acavalando no
casulo ela Noite.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

São Mármaro pregando às 6:38 da manhã(Soneto, n.316. Para Luciana. A todas as pessoas-Aves)

O sentimento do Sublime
sai Caro? É preciso adubar fome
e sede de justiça no Quintal de casa,
pra alguns

é preço Impagável. Não quero
este pão - dizem muitos - são os
homens-Lata, os bombalhados em
plástico, os NÃO-homens enfim_________

o Cavaleiro anda atrasado mas Vem:
quando Ele os anjos a Virgem a bateria 
da Portela com sua tabajara de trombonErês
aparecer pelos céus, vai ser 

um deeeus nos acuda, Julgamento olha evééém
por entre as patas dos cavalanos, e aí:CABUUM.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Soneto, n.315(Alla Anticqua. Para Luciana Moraes)

O antigo salmista abre o álbum,
vê os Três sobre os montes, as
chaves do mundo nas mãos,
deixando nárnias e conchas

em todas as nuvens. Aos pássaros se diz
que gravem seu nome nas árvores, e
que sejam suas pernas. Poema corre,
homens webtrançam pirâmides ________

meu filho agora possui história,
e dois ombros que me lançam na eternidade:
acordo sobre mares e gaias,
tanta flor na garganta_________

os Três 'inda dizem - que SÃO, que SEMPRE -
nem tudo é voz(cabralina) da pedra. AMÉM.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Dia da(nossa) Bandeira(Soneto, n.314, escrito mesmo no dia 19/11/17, pro meu irmão André ben Noah)

Ao fim de quarenta invernos e duas tábuas 
de pedra - mesmo que o germe semeie
noite pelos casulos e sob os postes luzeiros incidam
sobre ombros Nenhuns___________

recebe ó terra este Afeto, apesar 
de gramões e manhattans mascarem fumo E
os ossos de nossos Próximos ao longo da história -
Nossa Bandeira os Três a Firmaram no céu:

em treze anos nos vestimos de alfabeto
e o Verde voltou à moda entre as árvores,
festuras que são cavalos em marcha
porque nem só de pão Vive o homem__________

nosso Estandarte evém Fala: sim, Peeeiaremos o mundo 
até nos devolverem o Futuro.



sábado, 18 de novembro de 2017

Sonetesboço(N.313, baseado no poema "Dois Esbócuros". Para Luciana Moraes)

Sou mago, Ponto. Ainda com água 
em todas as Ânforas - persclusro uns rufêos
nela manhã, no quartel próximo parece 
que soltaram maracanãs,

nem 7 de setembro é. MAS lembro 
que os cemitérios gerais estornam restos
de Pouco, por isso(Oscar salienta) há que arriscar 
planetas na areia, chamar

o mar pra briga depois. Foi teeempo
em que um só malazarte Sobrava
no Aceiro(da vida), por isso ela queda
a gente Veste em passo de Samba__________

e dos poemas com seus cavalos a gente Faz
povo heróico, um brado Retumbarante.

Madrigal(Versão soneto, n.312. Para a amiga Jessica Campos, também à memória de Renato Russo)

Nela cidade do Méier
(principalmente) nasci. Postes vestiam crachás
de cinemas Fechados, arlequiNins longe dela
gameleira do avô_________ terra

que muito se Coça e só responde em
pedra afiada(e não só lá), enquanto à cor da
conversa outono é poncho de passarins
levando nos bicos o Desmontuê

desque o Brasil modernou
e terminou de vender os índios: dona Decência 
saiu estroposprooondo com a porta, vexada,
Escandalisadíssima__________

gente Não nunca sabe
se chuva Ainda é poste com lâmpada.

Sete Serras(Versão soneto, n.311. Para a amiga Jessica Campos)

O que ainda gritam os altares:
cada vez mais desequílibrio entre eles -
os nichos da Ordem
e da Desordem________

os vales os matos as fontes-Quérnias
por Onde andam? Do outro lado do oceano
ainda pessoas somem nos entreDentes
do quartel da barão de mesquita,

seus habitantes desfolham bandeiras, têm pele
com fedor verde-oliva - enquanto a morte 
faz resto dos homens despir o rosto
e irem Cegos pro mar, isso apesar 

de o velho Dorival ter baixado avisando que a noite 
é noite de Temporááá...

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Soneto, n.310(Para Sarah Valle)

À beira de meu copo
noite Alta mostra os guarís, 
carrossel gasto 
deeesde ela Casca__________

vejo um planeta ascender
sobre as cabeças de concreto,
róseo dos gases veste zés-Clóvis
que passam no jornal das oito, terra

onde ninguém Jaz, rios por onde 
os gadanhões da samarco andaram,
e por Isto o efológio
não vem vestido de caixão _______

à beira de meu caneco um rio Eufrates
morto com farofa - em Cupiiins, desde ela casca.