domingo, 1 de fevereiro de 2015

Soneto Inglês, nº 47

Como engomar Vila Sézamo
com tinta acrílica murcha
é meu bozó desquebranto
manzanzando fuga dessas

gatas biônicas, que mascam fumo

com os pés e reformatam Darwin
pra me bater. Inúteis nos teleféreos
serafins cantando as armas e o

varão no esbregue a toque banto

de caixa; edifícios fogem levantando
as saias e mijando cromo no Rebouças
calombado em Sépia, pós as cores

Defuntas: em Brasília, dezenove horas

e o senadão marfundado na Bosta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário