domingo, 21 de agosto de 2016

Soneto Esfaceliscente(Soneto, n. 208. Escrito numa manhã chuvosa de domingo. Pra Regina Azevedo)

Escrevo este soneto Esfaceliscente
num cenário de caba-Mundo:
nuvens órfãs do sopro do Hóspede
fecham janelas, assoam o nariz com estrondo.

Trombones lâmbados 'jaculam  trompaços,
na terra os homens sacodem saias
e se escondem em sementes de guando, tendo perdido 
os cueiros acumulados.

Sonhei que dialogava com a esfinge,
recém chegada dos geriões do Mar Morto:
entre dez litros de chope contava estórias
de meus avós, templários e cangaceiros_________

mundo fabungo trôlho
teus epitáfios Maduram.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Sagres(Soneto-Estudo XVI, n. 207)

E depois de Inumeráveis geografemas
transuridarem vendavares Âmbricos
adormecendo pedralhas e plantarando Confins:
há sempre um copo de mar

onde navegue um homem
por mapas-múndi reinventados Sempre,
sendo o Porvir uns ronronários felinos
inda que aparentando escamas de dragão

e seus enxófricos soprares e tormentórias
planófias de posseidons famintos por carne
e sangue  - a cantilena de Sagres
está gravada na testa com Tintamalhas________

onde mais terras houvera que se alcançasse,
Portugal - Rosto da europa - lá Chegara.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Soneto, n. 206(Escrito em 07 de agosto de 2016, aniversário do casório de meus pais)

Uns oboés em cascata
sacodem o orvalho das penas,
saracoteiam: dia-Evém
aqui no planeta-Navio.

Hoje em 1965 foi sábado em Copacabana,
meus pais casavam na igreja presbiteriana
ali na rua barata ribeiro________
centauros vieram de longe para assistir.

Cortejo de iaras-madrinhas
levou sandália e bordão para a mãe futura,
e uma canção da Violeta Parra. Por um momento
todas as fontes murmuram Vida_________

também por um dia esqueceram dos militares 
que de Brasília roubavam todos os Velocípedes.