sábado, 19 de agosto de 2017

1982(Versão Soneto, n.304. Para o confrade Sérgio Ortiz)

Rumor de luz faz duêr
os grânulos, poeira do quarto. E os olhos,
trazidos à força - (superfirície inda Fala) -
sacodem ranço e dez quiés de jucumã________

e sempre é Chuva no cabecê de papel 
e o boi que passa na correnteza é tão morto
quanto a memória daquela primeira vulva 
que deu língua pra Mim_________

relógios Torcidos, rei pelado na praça,
pernas lesmeiam pra encontrar dez dedos
em posição de sentido: berço
onde onde o mosquito dorme,

àquela tarde em Sevilha - tristeridade
que Inenvelhece pelo tempo-Foi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário