domingo, 20 de novembro de 2016

Soneto, n. 212(Desentranhado a partir de original de Catarina Rosa Muirin. Pra Gabriela Saraiva)

Me assento à beira do Estinfálio, e choro:
aves de bronze brotaram todas de Novo,
e todos os hércules do planeta
são estátuas adormecidas em Pedra_______

mas assim mesmo deuses sorriem
quando nos dão os nomes daquilo tudo
que Mataremos depois, até que não se distingua
a luz outrora Nua nas almas,

carapanãs que não mais Reflorescem
depois que os homens demoliram pontes
que davam nos jardins do Hóspede: corpos 
abandonados ao cio das Noites________

e Choro, já não há Quase cidades
onde o exílio ainda seja Possível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário