sábado, 22 de setembro de 2018

Soneto ao Sol(soneto n.427. À memória de Renato Russo. Para Ullisses Areias e Caleb Baltazar)

"Quando o sol bater na janela do teu quarto/
lembra e VÊ - o caminho é UM SÓ."(Renato Russo)

Quando o sol bater Cabeça na janela
do teu quarto, é Bom que ele te Apanhe
antes do gargalÊo das erínias - cujas guitarras
fu - be - ca - rÃo tuas retinas com luzes

de Nagasaki________ não haverão mais
sete faces no espelho nem 'pojaturas
dos instintos Dissonantes: filhos chegados ao
parto e não há força para vê-los

NASCER. Porque não sabes se a Cúpula dos dias
se Armou de guarda-chuvas Suficientes é que
tu deves SIM bater cabeça junto ao sol
quando ele entrar pela janela do teu

quarto_________ porque NÃO SABES tu derÊstes sóis 
o Quanto deles Inda terás que Sofrer.

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Cançona Górnia(Soneto, n.426. Para Luzinha...)

"Mestre, diz-Nos quando sucederão estas cousas..."(Mateus, cap.24, início)

A gÓrna canta os últimos tiJolos:
içÁs estalam ao redor no ar primaveril,
trilhos do Largo esvoaçAnDo apontam bondes,
canaviÁIS que não Voltam,

presSúria que à solta cambonetÊa - Jacinta -
como um soco traz segunda-feira à Tona
em formas que a gente Unta
com dinamite_______ tarde sobre carRoças

exala o próximo sol DescadeirÁdo,
anzol de trutas e charutos que se acendÊam
no Encó dos viadutos, Cova é mais LÁ,
onde elas nuvens se abrilhantam para o Espantéu

deste mundo________ gÓrna apara as primas 
labaredas, um grito-MUNCH apanha lápides às Pencas.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

SonetorÔnio da enxó-Cadência(Soneto n.425. Ainda em memória do Museu Nacional-RJ. Para Caleb Baltazar)

Miró sentia em Tasca a mão direita 
como se ImpÂnha a mona um cérebro 
ostentasse - isso cafÚnga um bode sonorÔso
à solta em Dancing naquelas 

vinhas do Altíssimo_______ inadiantam
sacireCês ou rubiões em longitudes
se o bolsonaro ano que vem vestir
a Faixa: ebós e missas, descarRÊgos

serão arcanjos cujas espadas Partiram. Assim
o rai' do sol da tarde Inutilmente 
irá se refletir na Içá-janela,
e eu Nem falei-raspÃo no Blaise Cendras________

que se perdeu na Lapa atrás do brAço
e por um TRIIIS Satã Madame o NavalhÁrama.

domingo, 9 de setembro de 2018

EscabrurunDUM!(Soneto, n.424. Forma 4/8/2. Ainda em memória do Museu Nacional do RJ. Pra irmãzinha Jéssica Campos)

O tempo futuro ficou tÃo DESmanteúdo!! -
onde esperantos não mais triBebem
manhãs_______ o Claro dos pifes
não cantiguÊa entre o braçado

das árvores, vida um passo mais Curta,
looonge o mar, Curimã - el'Uiva, e PORQUE meu Deus
inda o Sinto como se AGORA aparecesse Amarildo 
em carne osso e pentElhos e nos concHais dos
ouvidos não Fosse(ele-Tempo) os bÚzios mais
sanguinÁrios a acaChapar vÃos gradis
e a se mostrar como um grão-CACTO
pluriIntratável??? - não mais não Maaais esperAntos!!__________

derrubou casas os postes fiação, não há 
mais ONDE Santo Antônio abraçar os peixes!

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Esboço LacrimImbó, n.2(soneto, n.423, também para Sarah Valle)

No encÔmio dos pindaréu' noite-Vasta:
vai-Se a caravela para o
fundo, fossa Carnuda: de nunca mais 
nascer o sol do mesmo jeito_________

"batemos dentes e lá fooram-Se os brevÊs de
nossos crânios", ao Cubo na piscina três 
quengácias - soletro "Cérbero" na testa e nos
crachás________ e há chuva de mortícias

no Planalto. Eli! Eli! Lâma transbordorÂni!
Outubro evém e vem com ele a Pororoca,
valha-nos Deus e que terrÍvi este velório,
porque ninguém mais Ergue a clava forte__________

é FOSSA, Fundo o pindaréu da noite Vasta 
em MucujÊs no céu da pátria, Neste instante.

Esboço LacrimImbó(soneto, n.422, forma 4/8/2. Para Sarah Valle)

Eu sou uma besta Quadrada
que nunca Soube rolar. Fulgêncio
em verberÊncias-Nada, vapor
que logo o quente da manhã DistronchÊa.

Tive um pai Polifemo
(por ISSO a roda do Encantário espatifada ao rÓr
dela fonte) - a falta d'Olho nele
eram tripúdios bumbas e caraÇas
por causa das Asas que ele achava 
escândalo, embora dadas pelos anjos
quando o Méier me zííu pela primeira vez,
e a ronca do Infinito era possível__________

a besta - 'Rrefecida de suas asas MurchunhÔ,
quadrÁdea, o não-Rolar amunhecado em Carma.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Sonata delas mutucas em Flô(Versão soneto, n.421, forma 4/8/2. Para Sarah Valle)

Foi noutro ibó-de-Curimba que mencionei 
Antélia -ela mulher de Ló - que Não morreu
de overdose apesar dela luz acesa 
que o anjo Soprou_________

então o pássaro no ombro do funcionário 
tomou doril, o CLÂNCT! das ostras sendo engolidas 
era o epitáfio de Sodoma, do gado no descampado,
da própria Antélia que Energúmena pôs os olhos 
na Bunda em vez de olhar para frente, AÍ
foi Coisa - perdeu a boca os bonsais, elas tripas 
e a história entrou pelo pé do Picanço: telefones
esgoelam nomes das mulheres Todas, MAS

nunca nééver de NÚncaras existirão dialetos 
pr'elas estátuas de Sal.

domingo, 2 de setembro de 2018

SonereTétricum(Soneto, n.420. Forma 4/8/2. À memória do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista-RJ. Dedicado a Ullisses Areias)

O anjo da guarda aguarda a próxima 
monÇão, com chantilízzz e mais suspiros 
de pérola a mamanguar a parÚsia
que endoidArá nos relógios e se erguerá 

das esfÚmias para os corÓtes da perdição 
dele Tempo__________ subo do Mar,
não há projeto na areia
nem braços por onde surubêiem
plenários. O nariz do poeta federal 
não Lê as lâmpadas sarcoViais,
em São Cristóvão NESTE momento 
perdemos papiros e as múmias - Capetão sim-senhor

num' estrondosa e Lúbrica performance: pras rezas
nem adianta ir ver a banda passar...

Soneto Arângulo, n.2(Soneto, n.419. Para Luciana Moraes)

A musa disse de um anjo: "vocêêê
é um motorneiro dos tenores".Com
TUDO, do vestido luzido até as asas de
papelão, não faltando a selva dos balangÔS

que te fez menino d'Engenho,
com direito à escritura e luminosos 
drive-thrus de galáxias. Antologias 
mecanizam playgrounds, ó musa,

e doutoRÔres certamente remendariam
suas meias ALI - estreRÉpe do estrume
onde viceja a próxima leva
dos mosquejÕes empEdernidos

como Israel à beira do Hospício: Não ouvirão,
ainda que algum dos Mortos ressuscite.