sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Soneto, n.348(Para a amiga Jéssica Campos)

Neste intermédio de nuverÊnias
e sóis que mal adentram reFrinchas
vida 'manhÉce, mas é
balouço à beira dum Poço

e quase à morte um petiz... em cambalhotas 
é mEu 'sfrangalho de vida que 'inda faZ
número_________ meus ereXins
rasbicavaNdo às Loucas um mundaú

que é passaredo Espantado, o bicho-Hômi
aí Vem e o resultado 
é Chusma de leões sem juba... congádRias
das últimas quatorze Tróias________

ossanHas maus no Achurêio, relógios________
com gente DerretenDrendo em cima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário