segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Soneto, n.334

Este pedaço de sol que bobamente inda
cisma de bater ponto não faz ideia:
lá vem maruím dos quatro cavalos 
por magoados fins de dia...

Zéfa chegaro as queimáááda! O burro-madRo
tá resinguIndo de tanta Imbuia no lombo...
perdão Vladímir se inda coragem não Tive
pra mesma porta dos fundos...

Ei vovozinha venho de longe,
há muitos séculos ando à pé talvez à espera 
que houvessem bailes de Mim nas alamedas -
sonho de Íris, mas Quizabrum nas janelas__________

a minha alma agora é água Fria
no perau mais fundo, Inominado...

Nenhum comentário:

Postar um comentário