quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Polichinélia, n.2(Para piano, que nem os Choros n.5. À memória de Heitor Villa-Lobos. À Luciana Moraes, Amada. Soneto, n.328)

Amor meu: eu Vi os anjos das ciDades altas,
eles caÍam 'graçadinhos feito semicolcheias
no jazz Andário do meu lado Esquerdo, Tuhú_______
de sol, de Sequóias___________

sou graTo em toDos os Cubos por teus AssÔpros,
teus MundaÚs, teus potes de mel e manGa
que alevantaro da pedra meus eRês
como se todo dia fosse folia de Cazumbas

e o abutre do Prometeu finarAlmente Aprendesse
com quantos paus se faz uma jangAda e voaSse
pra Longe dele ou eu mesmo o Empalava, lampÊro -
como no dia em que desCi de minha Mãe no

Méier_________os anJos tornando às pautas,
jazz Cabinda e Fuzarco, amor meu: graças a Ti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário