sábado, 28 de janeiro de 2017

Junto à lápide dum alfaiate de Catende-PE(Soneto, n.228, com estrambote no terceiro quarteto. Pra solo de Fagote e quinteto de Pifes. Pro meu irmão Luis Felipe Leprevost)

O tempo rodorizou sua máquina 
de Foices. Somente avaro pra ti
nos Esperantos(quaisqueres), e O Trajo
ficando sempre por fazer.

Mas seguraste a Paisagem nos dedos,
(dedos) que herdaste de teu pai
e cujo orôzco vige Retilinências
atééé os cristãos-novos Expulsos:

dizer também que ele-Tempo
(ou sua magreza Extrêmeris)
jamais grandes giros no espaço.
Muuuitas as vezes que viste AFÁSICA
a viola das panelas de feijão_________

PAZ a ti no teu Osso, Irmão -
distante das erínias todas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário