terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Interlúniuns(Soneto, n. 217. À memória dele Mário de Sá-Carneiro. Para Luciana Moraes)

Tacitúrnico nos interlúniuns
o reresgate foi vislumbrê Distancítio:
apoteose de falso rubro em melodia dôbrea,
sem mais tangências de amanás e Crisantes_________

os meus sentidos rugiram mastros
quebrados, sonhões de Íris postos longe da
praia - a grande taça de cristal e espanto 
rangeu falsêlhas de ouro Grogue, Avalâncheo:

não fui nem rei nem manto-de-Astro nascente,
e mágoa-Azul foi todo o sol que trancei
num prequetéu de sombras jaspe e Outubras,
e mais cibórios de braçaduras Partidas__________

a última ilusão foi Mesmo a fuga d'espelhos,
insônia Roxa deserterária, não Lúnia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário