quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Embalarê(Soneto, n.226. Para Luciana)

Embalarê dela praça:
água canta na fonte 
(pudicamente), mijada
por meninote de bronze. Você Posseira,

aqui DENTRO: teu corpo segue (tão) branco,
pontereios de lua - sobre palavra e dança.
Dias que mudam o tom: iremos 
cantarandando, acumulando paisagens___________

Munderéu parece ter nascido Agora,
pleno de ares que tomam banho
e casas vestindo Amarelo - você sorri girassóis,
desmancha a sombra das estátuas__________

nas cinco salas da gente
Os Três andam plantaaaaando Sêmpreres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário