sexta-feira, 29 de abril de 2016

Soneto-Estudo, II(Soneto n. 183, para Catarina Rosa Muirin, e pra Gabriela)

Já não direi Passarinho.
Interrogando eles céus
que marcham sob o escabelo
de Apolo vi gaiolas em bronze

acochambrando futuros, que de paúra
corriam, enquanto ao léu Calibrino
a marra de minotauros ferozes
mandava às favas o busto da Esfinge_______

ao mesmo tempo em pradejantes Esferas
quinze meninas dançam,
nuas sem nem Saberem(meu lado esquerdo
anda plantando zebus)_______

interroguei eles céus:
já não direi Passarinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário