domingo, 2 de setembro de 2018

Soneto Arângulo, n.2(Soneto, n.419. Para Luciana Moraes)

A musa disse de um anjo: "vocêêê
é um motorneiro dos tenores".Com
TUDO, do vestido luzido até as asas de
papelão, não faltando a selva dos balangÔS

que te fez menino d'Engenho,
com direito à escritura e luminosos 
drive-thrus de galáxias. Antologias 
mecanizam playgrounds, ó musa,

e doutoRÔres certamente remendariam
suas meias ALI - estreRÉpe do estrume
onde viceja a próxima leva
dos mosquejÕes empEdernidos

como Israel à beira do Hospício: Não ouvirão,
ainda que algum dos Mortos ressuscite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário