quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Sagres(Soneto-Estudo XVI, n. 207)

E depois de Inumeráveis geografemas
transuridarem vendavares Âmbricos
adormecendo pedralhas e plantarando Confins:
há sempre um copo de mar

onde navegue um homem
por mapas-múndi reinventados Sempre,
sendo o Porvir uns ronronários felinos
inda que aparentando escamas de dragão

e seus enxófricos soprares e tormentórias
planófias de posseidons famintos por carne
e sangue  - a cantilena de Sagres
está gravada na testa com Tintamalhas________

onde mais terras houvera que se alcançasse,
Portugal - Rosto da europa - lá Chegara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário