domingo, 4 de outubro de 2015

Lindá(Soneto, nº 137. Pra Gabriela Ziegler)

Eu vi mãe d'água morena
minina, fada, Lindá______  visão mais guapa
era trans-Impossível  -  banzúrio
de Festarão nos óio gasto da gente...

No encanto da mata funda ela tarde
pousava nos braços das árvores
as mantas rubras do sol  -
e a moça, tão Gabriela, trazia

os olhos negros no corredê ligeirinho
do riachinho brincante
que não cessava de beijar-lhe os pés(pés que eu  -
bardo pluriCansado  -  sonhara um dia beijar)______

...ela mãe d'água era Bem mais que fada:
minina, moça. Lindá. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário